terça-feira, 28 de setembro de 2010

Mais um pouco da mulher de 30

O txt do Mario Prata descreve, com maestria, a mulher de 30. Estou nesta fase. Muitas amigas estão. E sinceramente, Prata não mentiu muito.

Entretanto, ele poderia ter dito também que aos 30 quem não tem TPM, terá. A independência assusta uma sociedade (ainda) machista e disfarçada de moderna. O sonho da pessoa ideal ainda persiste, mesmo q o cara certo tenha barriguinha e seja levemente calvo. O choro no travesseiro está por perto, ele existe não como fraqueza, mas só é demonstrado a quem merece realmente, fora isso, fica no travesseiro. Nossa fortaleza é diretamente proporcional a nossa sensibilidade. O sexto sentido fica apurado de um tanto que chega a assustar. Perseguimos temas complexos, adoramos ser chamadas de inteligentes (a grande maioria é), mas também adoramos algumas futilidades, só que não as publicamos, claro. Temos paixão por carros, gostamos de motores, mas o espelho tem que funcionar quando precisamos retocar a maquiagem e o carro precisa ter a nossa personalidade, aliás, isso marca uma mulher de 30, ela quer que tudo tenha a sua 'cara', o seu jeito, a sua visão .. tarefa complicada, mas buscada no dia-a-dia e quando algo não dá certo é pq não tinha a nossa 'cara', simplesmente por isso. Não vamos à caça de um provedor para os nossos filhos, porém os homens são analisados se serão bons ou maus pais, o que não significa que serão escolhidos como pais de nossos filhos. Infelizmente, há escolhas erradas mesmo com tanto observação, mas para isso existe a segunda chance. Bem, os homens estão sempre sob análise, isso é fato. Ficamos mais exigentes. Na verdade mudamos os critérios. Beleza não põe a mesa, mas não comemos no chão. O que fica na mesa é o respeito por quem somos, a forma como comanda a sua própria vida e mais ainda o que pensa dela. Também fica na mesa a lealdade mais que a fidelidade, onde a cumplicidade e o companheirismo são a toalha. Não estamos dispostas a encarar gangorras emocionais, apaixonadas até tentamos (não custa tentar), contudo só vale uma tentativa, o resto, ele precisa fazer (se coçar, se nos quiser, obviamente). Temos medo de envelhecer. Se pensa muito na velhice quando se chega aos 30. No combate à barriguinha mencionada por Prata não nos matamos nas academias, nossas atividades são alternativas, queremos, quando possível, malhar corpo e mente, quando não dá, ficamos só com a mente. Destilados nos embriagam saborosamente. Estudamos, estudamos e estudamos, mas tem hora que a vontade de chutar o balde bate à porta e a crise chega e então gritamos: "pq vcs foram rasgar o sutiã?" . Sentimos saudade dos 20 e não queremos chegar aos 40. Precisamos pintar o cabelo, mas a agenda é tão cheia que a pintura está sempre em segundo plano, nesta idade, nos preocupamos sim é com a pele, os sinais dos 30. A vida começa a ter sentido, começamos a ter uma leve ideia do que viemos fazer no mundo, o duro acontece quando descobrimos e notamos que não há outra saída a não ser encarar .. e encaramos .. mulher de 30 não foge, ela respira fundo e segue ... mas pode demorar uns minutos a mais neste 'respirar fundo'.

Amigas que viajam sozinhas, respiram fundo, erram os caminhos, mas conseguem chegar, ao seu modo, ao fim proposto!






Sds!

O tal poder

Tenho convivido pela 3a vez com um processo de transição de chefia e é incrível como o comportamento humano não muda. Absolutamente não muda.

Quando se fala em poder a coisa muda de figura, as pessoas mudam de comportamento, melhor, as pessoas mudam. Certo e errado se mistura, eterno e descartável também, virtudes e defeitos então?!

Isso me assusta. Aterroriza em certas ocasiões.

Sei que todos têm seus motivos para percorrer o poder. Sei também que muitos têm boas intenções, mas sei mais ainda que elas, infelizmente, desaparecem ao ser colocada na cadeira do poder, em alguns casos.

Mas o que me assusta mesmo é a vaidade. Ela alimenta a busca pelo poder. Não é uma vaidade motivada pelo dinheiro, mas motivada pela vaidade simplesmente.

Esse filme discute bem isso - Advogado do Diabo:

video


Tudo é vaidade, li isso em um livro também. Sds!

O caderno

O caderno - Toquinho. Deveria ser um livro! Mas como canção dá seu recado!

video

Sds!

Livros livros livros

Como jornalista que sou gosto de ler; como curiosa gosto muito de ler; e como apaixonada por histórias gosto demais de ler, mas tenho feito isso pouco, pior ainda, tenho comprado diversos livros, começo a lê-los, mas não os finalizo. Andei refletindo o motivo: cansaço + preguiça.

Assim na tentativa de mandar esses dois itens embora voltei a ler. O engraçado é q voltei a ler relendo algumas obras. Me dedico, atualmente, aos livros de Lya Luft.

A delícia do livro está nisso. Ao reler Lya Luft sinto como se a estivesse lendo pela primeira vez. As sensações são diferentes, algumas amadureceram, outras permanecem estáticas, outras voltaram ao estado primitivo.

De qq forma, bons livros devem ser relidos, isso é certo. Mais certo ainda é que nem a preguiça, nem o cansaço deveriam nos afastar dos livros. Bons companheiros, bons conselheiros, bons parceiros para um fim de noite.

Sds!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

As mulheres de 30

Este texto nos reflete muito bem!

As mulheres de 30


O que mais as espanta é que, de repente, elas percebem que já são balzaquianas. Mas poucas balzacas leram A Mulher de Trinta, de Honoré de Balzac, escrito há mais de 150 anos. Olhe o que ele diz: 'Uma mulher de trinta anos tem atrativos irresistíveis. A mulher jovem tem muitas ilusões, muita inexperiência. Uma nos instrui, a outra quer tudo aprender e acredita ter dito tudo despindo o vestido. (...) Entre elas duas há a distância incomensurável que vai do previsto ao imprevisto, da força à fraqueza. A mulher de trinta anos satisfaz tudo, e a jovem, sob pena de não sê-lo, nada pode satisfazer'.

Madame Bovary, outra francesa trintona, era tão maravilhosa que seu criador chegou a dizer diante dos tribunais: 'Madame Bovary c'est moi'. E a Marilyn Monroe, que fez tudo aquilo entre 30 e 40?

Mas voltemos a nossa mulher de 30, a brasileira-tropicana, aquela que podemos encontrar na frente das escolas pegando os filhos ou num balcão de bar bebendo um chope sozinha. Sim, a mulher de 30 bebe. A mulher de 30 é morena. Quando resolve fazer a besteira de tingir os cabelos de amarelo-hebe passa, automaticamente, a ter 40. E o que mais encanta nas de 30 é que parece que nunca vão perder aquele jeitinho que trouxeram dos 20. Mas, para isso, como elas se preocupam com a barriguinha!

A mulher de 30 está para se separar. Ou já se separou. São raras as mulheres que passam por esta faixa sem terminar um casamento. Em compensação, ainda antes dos 40 elas arrumam o segundo e definitivo. A grande maioria tem dois filhos. Geralmente um casal. As que ainda não tiveram filhos se tornam um perigo, quando estão ali pelos 35. Periga pegarem o primeiro quarentão que encontrarem pela frente. Elas querem casar.

Elas talvez não saibam, mas são as mais bonitas das mulheres. Acho até que a idade mínima para concurso de miss deveria ser 30 anos. Desfilam como gazelas, embora eu nunca tenha visto uma (gazela). Sorriem e nos olham com uns olhos claros. Já notou que elas têm olhos claros? E as que usam uns cabelos longos e ondulados e ficam a todo momento jogando as melenas para trás? É de matar.

O problema com esta faixa de idade é achar uma que não esteja terminando alguma tese ou TCC. E eu pergunto: existe algo mais excitante do que uma médica de 32 anos, toda de branco, com o estetoscópio balançando no decote de seu jaleco diante daqueles hirtos seios? E mulher de 30 guiando jipe? Covardia.

A mulher de 30 ainda não fez plástica. Não precisa. Está com tudo em cima. Ela, ao contrário das de 20, nunca ficou. Quando resolve, vai pra valer. Faz sexo como se fosse a última vez. A mulher de 30 morde, grita, sua como ninguém. Não finge. Mata o homem, tenha ele 20 ou 50. E o hálito, então? É fresco. E os pelinhos nas costas, lá pra baixo, que mais parecem pele de pêssego, como diria o Machado se referindo a Helena, que, infelizmente, nunca chegou aos 30?

Mas o que mais me encanta nas mulheres de 30 é a independência. Moram sozinhas e suas casas têm ainda um frescor das de 20 e a maturidade das de 40. Adoram flores e um cachorrinho pequeno. Curtem janelas abertas. Elas sabem escolher um travesseiro. E amam quem querem, à hora que querem e onde querem. E o mais importante: do jeito que desejam.

São fortes as mulheres de 30. E não têm pressa pra nada. Sabem aonde vão chegar. E sempre chegam.

Chegam lá atrás, no Balzac: 'A mulher de 30 anos satisfaz tudo'.

Ponto. Pra elas.

Mário Prata

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Sempre aprendendo ...

Diariamente tenho a benção de conviver com crianças e, certeza, que ao lado delas aprendo mais que em qq banco de escola.

Agora estou convivendo semanalmente com adoráveis pessoas da melhor idade. Como as aulas de inglês ganharam graça com elas. Não aprendo mais só conjugações do verbo 'to be', mas conjugações e variações da vida. E que vida essas pessoas têm!

O tempo para eles é algo precioso demais da conta, afinal, segundo eles, pouco tempo lhes resta. Por isso, optam por enxergar o copo metade cheio ao invés de metade vazio.

Nossa! tenho muito que aprender, felizmente, passaremos dois anos estudando juntos. Haja lição e tarefa de casa!!! Felizmente!

Sds!